Apuama

Bambu – Material Alternativo. Entrevista do Professor Beraldo

O bambu apresenta múltiplas aplicações. Mas, não saberia dizer exatamente quando o bambu começou a fazer parte de minha vida. Para quem é um garoto do interior, em várias fases da vida o bambu aparece. Desde a produção de varetas para confeccionar pipas (ou papagaios ou pandorgas ou maranhão), a criançada aprende a manipular com ferramentas muito simples essa versátil matéria-prima. Por ser facilmente fendilhado, pois não apresenta raios como a madeira os tem, com o auxílio de uma lâmina metálica qualquer bambu permite que dele sejam obtidas as varetas – material estrutural para compor com o papel de seda esse fantástico e democrático brinquedo. Também nessa brincadeira a garotada aprende uma outra importante característica do bambu – a sua facilidade em ser dobrado sem romper-se, o que permite confeccionar uma das mais importantes partes estruturais da pipa – a enverga.

O que falar então das cercas simples dos quintais e das hortas, ambos espalhados por todo território nacional. Mourões de madeira (ou de bambus mais grossos) servem de suporte estrutural, nos quais são fixadas duas linhas paralelas de arame liso ou farpado. A seguir, as lascas de bambu são amarradas nesses arames por um engenhosos sistema que faz com que esse conjunto rudimentar possa resistir por vários anos à ação das intempéries.

E, por último, mas não menos importante, quem já não pescou com uma varinha de bambu? Para a sua preparação existe todo um ritual, começando pela escolha daquelas que estejam maduras. A seguir, após um período de secagem, procede-se à elaboração do “tratamento térmico e estético” do bambu. Geralmente as varas são originárias da espécie Phyllostachys aurea, de pequeno diâmetro, porém de grande flexibilidade. Embora não pareça, mesmo com a acirrada concorrência com as varas de fibras de vidro, aquelas feitas em bambu ainda são comercializadas em grande escala, principalmente na cidade de Brotas – SP.

Também a movelaria tendo o bambu como matéria-prima ainda se mantém em algumas partes do país, embora sofra a concorrência dos móveis baratos feitos com madeiras de reflorestamento.

E então, por um longo tempo o bambu aparentemente sumiu de minha vida. Fui estudar em São Carlos, depois São Paulo, e por fim em Campinas. E foi na Unicamp que o bambu ressurgiu em minha vida, pois como Professor de Materiais de Construção na Faculdade de Engenharia Agrícola agora tinha um campo para pesquisar o bambu no tema “Materiais Alternativos”.

Na presente entrevista, solicitada pela Universidade Federal de Santa Catarina, pude fazer uma pequena varredura dos temas que explorei com o bambu.

 

Link

http://ojs.sites.ufsc.br/index.php/mixsustentavel/article/view/3514/2678

Antonio

Licenciado em Matemática (USP-1974), Engenheiro Agrícola (UNICAMP, 1980), Mestre em Eng. Agrícola (UNICAMP, 1987), Docteur en Sciences du Bois (ENSTIB, Nancy, France, 1994). Possui enorme admiração pela "Dádiva dos Deuses" - o Bambu. Co-autor do livro "Bambu de Corpo e Alma", agora em segunda edição, e administrador do site www.apuama.org, projeto pessoal desenvolvido desde 2009.

Envie comentário

Most popular

Most discussed