Apuama

Identificação de madeiras e classificação de tábuas

O Brasil é um país com excelente vocação florestal, devido à extensão de seu território e à diversidade de regiões climáticas que apresenta. Tratando-se do único país do mundo cujo nome está relacionado ao de uma árvore (Pau-brasil – Caesalpinia echinata), o Brasil apresenta potencial para tornar-se em uma potência mundial no setor madeireiro. Isso se mostra uma realidade no tocante aos conhecimentos já existentes sobre madeiras exóticas de reflorestamento (Eucalyptus e Pinus), podendo-se afirmar que o Brasil faz parte da vanguarda mundial em temas relacionados à produção de mudas de tais gêneros por meio de modernas técnicas, que são inclusive menos desenvolvidas em seus países de origem, como é o caso do Eucalyptus na Austrália. Este último gênero já contribui de forma significativa para a balança comercial brasileira, principalmente na exportação de celulose.

No entanto, ainda restam dois aspectos importantes a serem mais bem aprofundados no tocante à exploração racional das madeiras brasileiras, a saber:

  • Falta de conhecimento das características das principais espécies nativas comerciais, principalmente de sua identificação anatômica, por meio de técnicas modernas e rápidas, que se mostrem viáveis ao nível dos produtores;
  • Falta de ferramentas que permitam classificar de forma rápida e precisa produtos processados da madeira (tábuas, por exemplo), por meio da utilização de sistemas automatizados atuando em conjunto com a linha de produção industrial.

Tais aspectos foram abordados em recente publicação da FAPESP, tornando-se um excelente material de grande interesse para o setor madeireiro.

Link

http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/07/18/identificacao-de-madeiras/?cat=tecnologia

Antonio

Licenciado em Matemática (USP-1974), Engenheiro Agrícola (UNICAMP, 1980), Docteur en Sciences du Bois (ENSTIB, Nancy, France, 1994) - o autor possui enorme admiração pela "Dádiva dos Deuses" - o Bambu. Co-autor do livro "Bambu de Corpo e Alma", agora em segunda edição, e administrador do site www.apuama.org, projeto pessoal desenvolvido desde 2009.

Envie comentário

Most popular

Most discussed